sábado, 28 de abril de 2012

ser avó....uma benção by estel@


er avó....uma benção  Estel@


Dizem que avó é uma mãe com açúcar estou toda açucarada.
Ser avó é escancarar as portas da felicidade, estou abrindo portas e janelas.
Ser avó é retornar à infância, já estou pulando amarelinha,
Ontem, quando peguei pela primeira vez aquele pequenino ser de luz senti a emoção e, na correria do dia, não registrei quase nada, ou melhor pensei que não.
Com a cabeça no travesseiro e muito cansada, nem o Jô consegui chegar ao final, adormeci ou melhor dormi mesmo.
Um sonho lindo, revi a casa de minha avó, aquela senhorinha de cabelos brancos (eu tinjo, porque a avó de hoje é vaidosa e plugada), a me fazer saquinhos para um joguinho que não me lembro o nome, saquinhos cheios com areia e muitas cores de velhos retalhos.
O sonho pulou para outro lugar, foi para a cozinha, e lá estava ela fazendo broas de fubá.
E, neste sonho, percorri toda a casa nitidamente, o balanço na jabuticabeira, a mangueira apinhada de mangas, sonho é bom porque tudo se realiza até quando o tempo não é da fruta.
Minha avó, a me olhar com olhos de amor e carinho, aquele olhar de proteção.
Vi, também, neste redemoinho de emoções minha avó a regar as plantas que tanto gostava, por ser ela uma força da natureza.
A velocidade com que passava de um para outro cenário era uma sensação de leveza e de bem estar, algo que não queria mais voltar.
Mas, minha avó, sem falar me acenou e sumiu numa bruma branca e espessa,
Era um sinal para acordar.
Estas imagens de sonho muito real, para mim querem dizer algo de especial, de uma visita, de um carinho, de uma proteção, ou simplesmente de
uma grande saudade, tanto de lá para cá , como daqui para lá.
Uma viagem de mão dupla, repleta de luz.
Acordei, e sei que não foi um sonho, mas sim uma visita.
Ontem, veio à luz, esta criança que, por algum motivo, deveria estar perto de mim, e eu agradeço esta benção e o acolho com muito amor em meu coração e sei que, um dia, ele sonhará e eu também o visitarei....
Estel@




sexta-feira, 6 de abril de 2012

Tempo de Pascoa


Tempo de Páscoa
Páscoa é tempo de meditar, de buscar,
de agradecer, de plantar a paz.
Tempo de oração!!!
Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos
e de ser mais irmão.
Tempo de recomeçar!
Tempo de concessão, de compromisso,
de salvação. Tempo de perdão.
Tempo de libertar, de libertação,
de passagem, de passar…
Para onde?
Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!
É Tempo de Ressurreição

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Paixão de Cristo by Estel@


A Paixão de Cristo
Estel@
Lembro-me dos meus tempos de catequismo, onde o Padre Lino ensinava os dogmas, as rezas e os mistérios da Igreja Católica Era a preparação para fazer a Primeira Comunhão. Naqueles tempos, quando chegava a Semana Santa não se comia carne, e se guardava o Sntíssimo com profundo respeito, e até um pouco de medo, porque entre o respeito e o medo a linha é tênue. Na grandiosa Matriz, os santos eram cobertos, num sinal de luto. As crianças não cantavam seus cânticos, pois não era uma semana comum. Aprendi que, Poncio Pilatos lavou as mãos para não julgar Cristo. Hoje tem muitos Poncios por aí, só que com uma roupagem contemporânea, ora julgando o seu semelhante, ora abstendo de um julgamento digno. Aquele que é o símbolo da traição, Judas, que beijou a face de Cristo e o traiu, ainda tem muitos discípulos por aí, beijando a face de crianças,velhos e necessitados, traindo seu semelhante e corrompendo seus ideais.
E Cristo morreu para nos salvar!
O que mais me chamava a atenção, e me comovia era a imensa procissão do Senhor Morto, em um andor carregado por homens de capas pretas e cordões vermelhos, que eu não sabia o significado. Mas também me divertia na inocência de uma criança, anjos com uma asa caída e assoprando a mão, pois a cera da vela acesa sempre respingava. O coroinha a balançar o incensário, e o som da matraca, olhava aquilo muito compenetrada no simbolismo do momento. Ohando para o horizonte, velas acesas na subida da rua seria a esperança de luz para todos?
Mas o que mais ansiava era o comovente encontro de Maria com seu Filho. Lágrimas brilhavam em todos os olhos,e hoje quantas Marias não choram do mesmo jeito pelos seus filhos que foram apedrejados. maltrados pela guerra, fome, drogas e violência.
E Cristo veio para nos salvar!
Na descida da procissão eu reparava nas janelas das casas, com toalhas roxas, que significava penitência, aflição e melancolia, pelo menos era que minha mãe dizia. Tendo apenas um crucifixo, eu olhava aquilo atentamente e sabia que era um luto, uma dor, uma perda e um dia de profunda tristeza, somente suavizado pela Ressurreição.
E assim descia a rua principal, onde tudo terminava na mesma Igreja onde tudo havia começado. Todos se retiravam em silêncio, o altar da Igreja continuava desnudo, sem arranjos florais no Sacrário.
Era um dia austero, sombrio e silencioso, mas com grande esperança na Glória da Ressurreição, o viver novamente e com Ele eternamente viveremos.
E Cristo veio para nos salvar!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...